sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Óleo Essencial de Cipreste (Cupressus sempervirens)

Imortal incansável, piramidal, balsâmico, o cipreste cedo entrou no imaginário dos povos meso-orientais, que buscaram na sua seiva mágica a eterna juventude. E não andavam longe da verdade...  

Família: Cupressaceae. 

English Name: Cypress.

Origem: Península Ibérica, França e Bacia Mediterrânica.

Partes Usadas: Gálbulas imaturas, gemas e agulhas.

Aroma: Balsâmico, refrescante e herbal.

Princípios Activos: Hidrocarbonetos monoterpénicos e sesquiterpénicos: α-pineno, canfeno, careno, terpinoleno, limoneno, mirceno e cedrol. Cânfora e ácido fórmico.  

Propriedades: Venotónica, adstringente, rubefaciente, anti-séptica, antibacteriana, antiespasmódica, anti-sudorífera, diurética, cicatrizante, béquica, tónico respiratório, anti-seborreica, calmante e repelente de insectos.

Fitoterapia Geral: Em cremes e loções anti-seborreicos e anti-envelhecimento é comummente empregue o extracto glicólico das gálbulas e dos rebentos. O óleo essencial tem forte acção sobre o sistema linfático e circulatório, é usado no alívio de dores musculares e de cabeça, dores reumáticas, varicose, retenção de líquidos, hematomas, hemorroidal e também em problemas hormonais. Muito empregue no tratamento de problemas respiratórios, gripes e constipações.

Dermatologia: Eficaz em peles e cabelos oleosos pela sua acção adstringente, na sudorese e no acne. Usado em cremes anti-envelhecimento e na queda de cabelo, assim como em celulite e gordura localizada.

Psicologia:  Calmante, purificador do ar, o cipreste apresenta-se como um excelente tónico neurológico, pela sua acção sobre o sistema nervoso central.

Observações: Usar sempre diluído, mesmo quando se trata do extracto glicólico, uma vez que este também comporta óleo essencial que pode tornar-se irritante em peles sensíveis. Não usar na gravidez e durante a amamentação. Pode ser conjugado com outros óleos balsâmicos e também com cítricos. 

Curiosidades: Os unguentos à base de cipreste circulam no Mediterrâneo desde a Antiguidade. Os Egípcios eram os seus principais fabricantes e utilizadores. A ideia de «eternidade» que desde sempre acompanha esta árvore, parece ter feito dela um tónico anti-envelhecimento por excelência, e da sua madeira o material ideal para construção de sarcófagos. Ainda hoje encontramos a continuidade desta ideia nos nossos cemitérios, quase sempre assinalados pela presença do cipreste.

Ler mais sobre o cipreste...

Sem comentários:

Enviar um comentário