quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Perpétuas-das-Areias (Helichrysum italicum)

É provavelmente o óleo mais raro e mais caro que podemos encontrar em Aromaterapia. O aroma desta planta, que muitos julgam tratar-se de caril, alcança longas distâncias, temperando as praias e as falésias por onde o vento o espalha. 

Família: Asteraceae (Compostas). 

English Name: Helichrysum, curry plant. 

Origem: Portugal, Bacia do Mediterrâneo, EUA.

Partes Usadas: Flores, colhidas logo no início da ântese.

Aroma: Especiado, quente. Lembra o do Caril.

Princípios Activos: Acetato de nerilo (>30%), nerol, cetonas (italidionas), butirato de nerilo e β-cariofileno.

Propriedades: antialérgicas, anti-urticantes, anti-inflamatórias, antidepressivas, anti-fúngicas e vulnerárias.

Fitoterapia Geral: Empregue no tratamento de doenças respiratórias e dermatológicas. Pode ser usado puro sobre as zonas inflamadas e também internamente, à razão de 2 gotas duas vezes ao dia, diluídas em água, chá ou sumos.

Dermatologia: Este óleo é muito eficaz na acne-rosácea e na cura de escaras. Usado no tratamento da psoríase e da urticária. 

Psicologia: O aroma das perpétuas-das-areias tem acção estimulante sobre o hemisfério direito do cérebro, consequentemente aumentando as ondas dos espectros alpha, theta e delta, o que faz dele um poderoso anti-depressivo e tónico neurológico. 

Observações: Embora possa ser usado puro e até internamente, a sua raridade faz dele um dos óleos essenciais mais caros, pelo que deve ser diluído de modo a rentabilizá-lo. 

Curiosidades: Há quem confunda o seu aroma com o do caril, julgando tratar-se da planta que origina esta especiaria, contudo o caril não se trata de uma especiaria em si, mas de uma mistura que chega a comportar mais de cinquenta ingredientes, entre eles o açafrão. Em Portugal apenas existe uma outra espécie de Helichrysum que pode ser usada dermatologicamente contra as dermatomicoses, é a H. stoechas, mais nenhuma das outras pode ser utilizada com sucesso, visto não deterem os mesmos princípios activos. 

Ler mais sobre perpétuas-das-areias...

Sem comentários:

Enviar um comentário